Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Proposta para reverter a desertificação

Mäyjo, 16.02.15

 

 
«Desertificação é um eufemismo para designar terra que se transforma em deserto", começa Allan Savory na sua poderosamente pausada conversa. E assustadoramente, ocorre em dois terços das pradarias, acelerando as mudanças climáticas e provocando o caos social nas sociedades pastorícias tradicionais. Savory devotou a sua vida a travá-lo. Ele acredita - e o seu trabalho mostra-o - que um factor surpreendente pode proteger as pradarias e reclamar terras degradadas desérticas.»

Fonte: http://www.ted.com/talks/allan_savory_how_to_green_the_world_s_deserts_and_reverse_climate_change.html



Já tinha visto este vídeo (Allan Savory: Como tornar os desertos verdes e reverter as mudanças climáticas) há bastantes meses, mas hesitei em publicá-lo por dois motivos: porque não acredito em soluções únicas ou universais, e porque me custou ouvir uma parte da história que Allan Savory conta, relativa a elefantes. Mas, a palestra merece ser ouvida, pois a sua teoria do pastoreio rotativo resulta de muitos anos de investigação, e pode ser uma das soluções para a desertificação em vários locais do globo.  A permacultura, por seu lado, apresenta um conjunto de soluções e sucessões para reverter a desertificação, que podem ou não incluir o pastoreio rotativo. Em ambos os casos, trata-se de imitar a natureza, e não lutar contra ela.
 
Sobre o combate à desertificação através da permacultura:

"Awá Guajá - a lutar pelas origens"

Mäyjo, 16.02.15

«A tribo indígena Awá Guajá vive na Floresta Amazónica, no estado brasileiro do Maranhão, dividida em quatro aldeias: Awá, Tiracambú, Juriti e Guajá. Um total de 400 pessoas a viver o mais perto possível da pureza das suas origens. Os dias de caça são longos, mas não poupam ninguém: hoje, crianças e mulheres encabeçam também as expedições pela densa floresta. Aqui não há idades certas (a última destas famílias foi descoberta há menos de dez anos), apenas o dia-a-dia da sobrevivência.

 

A ajuda das instituições responsáveis pela sua preservação leva até à comunidade poucas palavras em português, roupas de uma sociedade urbana e raros utensílios para uma vida diária facilitada. Mas o objetivo é ser mais um braço na luta contra a invasão crescente de madeireiros em busca do bem mais precioso da floresta amazónica, das árvores que lhe dão o sobrenome: Pulmão da Terra.»

 

 

Este é o texto que acompanha a exposição de fotografia de Daniel Rodrigues patente na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão intitulada "AWÁ GUAJÁ – A LUTAR PELAS ORIGENS", que pode ser visitada até 28 de fevereiro (entrada livre).

 

 

Daniel Rodrigues, fotógrafo português natural do concelho de Vila Nova de Famalicão venceu, em 2013, o primeiro prémio da categoria “Daily Life” do concurso World Press Photo.

Os Awá Guajá são considerados a tribo mais ameaçada do mundo pelo movimento Survival que defende os direitos dos povos indígenas do mundo (pelos madeireiros e outros agentes dos grandes interesses económicos)!

 

 

Veja a notícia aqui e o apelo de Colin Firth em http://www.survivalinternational.org/pt/awa

 

Fonte da imagem: artigo no Daily Mail online

in: http://sustentabilidadenaoepalavraeaccao.blogspot.com/